Buscar
  • Taís Brusantin Oliva

Dor nas costas - uma pandemia de décadas



A dor na coluna lombar (lombalgia) é a queixa número 1 no consultório do ortopedista. A busca por "dor nas costas" no Google aumentou 76% desde fevereiro de 2020 no Brasil. Estima-se que 38% das pessoas terão dor lombar ao longo da vida.


Mas por quê tanta dor?

90% das dores na coluna lombar são INESPECÍFICAS. Ou seja, não terão uma causa, uma lesão que as justifique. O aumento da incidência desse tipo de dor está estritamente relacionado com a mudança para um estilo de vida mais sedentário da população. Hoje vamos de carro para a padaria, mesmo que ela esteja há 2 quadras de casa. Temos cadeiras, sofás e camas mais confortáveis, que nos convidam a permanecer sentados ou deitados a maior parte do dia. Já parou para pensar quanto tempo do seu dia você permanece sentado? E deitado? Ainda que façamos exercício físico durante 1h todos os dias, será que não ficamos inativos por muito tempo no resto do dia ?


É preciso avaliar com cautela fatores associados a dor lombar, como problemas psicológicos, má qualidade de sono, falta de atividade física, problemas familiares ou sociais. Tudo isso interfere na nossa experiência com a dor.


Apesar de só 10% das dores lombares serem causadas por problemas ESPECÍFICOS, temos que estar atentos a eles. As bandeiras vermelhas da dor lombar são:

  1. Infecção: febre, mal estar, calafrios

  2. Fratura: história de trauma, osteoporose, uso prolongado de corticoides

  3. Tumor: história familiar ou pessoal de câncer, perda de peso, perda de apetite

  4. Déficit neurológico: perda de força ou alteração de sensibilidade nos membros, incontinência urinária ou intestinal

  5. Dor noturna - dor que piora ao repouso e melhora com exercício físico fala a favor de doenças reumáticas (p. ex. Espondilite Anquilosante)

  6. Idade: menor de 18 anos, maior de 60 anos

Existem diversas patologias que podem causar dor lombar: discopatias, hérnias de disco, artrose interapofisária, radiculopatias, tumores, infecções, espondiloartropatias (como a Espondilite Anquilosante) .


E a ressonância magnética?

A ressonância é um exame muito acurado para detectar lesões, mas deve ser bem indicado e seus achados devem ser correlacionados com a história e o exame físico. Não tratamos laudos! Estima-se que 70% dos adultos com mais de 40 anos tem alterações no disco intervertebral se fizerem ressonância, mesmo sem sentir nenhum sintoma!



É fundamental reconhecer as condições associadas à dor lombar, para evitar uma abordagem simplista e pouco resolutiva. O que sabemos é que uma vida com mais movimento e menos sedentarismo pode evitar diversos problemas musculoesqueléticos! Nunca é tarde para começar!



Dra Taís Brusantin de Oliva

Ortopedista e Traumatologista - RQE 86071


#ortopedista #dornascostas #dorlombar #assis #marilia #saopaulo

220 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo